• Postado em: 16 de março de 2020

Prefeitura discute plano de ações para o enfrentamento do coronavírus


O prefeito Roberto Cláudio se reuniu na manhã deste sábado (14/03) com a equipe da Secretaria Municipal de Saúde (SMS) e outros órgãos municipais para discutir o Plano de Contingência da Cidade para o monitoramento da COVID-19, doença proveniente do coronavírus. Na oportunidade, estiveram presentes a titular da SMS, Joana Maciel, o secretário de Governo, Samuel Dias, o chefe de Gabinete, Marcelo Pinheiro, o coordenador de Hospitais e Unidades Especializadas, Dr. Romel Araújo, o titular da Secretaria Municipal do Planejamento, Orçamento e Gestão (Sepog), Philipe Nottingham e outros representantes de órgãos municipais da Saúde.

O encontro teve como objetivos apresentar o cenário atual de Fortaleza e do Ceará em relação ao coronavírus e discutir um plano de ações a ser executado pelo Município, visto que ainda não existem casos confirmados no Estado. No Brasil, cerca de 100 pessoas já foram diagnosticadas com a COVID-19, o que representa 3,35% dos 1.485 casos suspeitos.

“É importante que nesse momento nós possamos agir com muita serenidade, muita sobriedade, buscando a melhor condução técnica sobre o que fazer e como fazer. É natural que essa doença, por ser nova, traga preocupações e traga um estado de alerta em todo o mundo. Nesse momento, as informações e decisões não podem se basear na emoção, elas têm que estar fundamentadas na melhor ciência, na melhor técnica e no melhor conhecimento. Muitas vezes isso gera pânico e esse pânico tem consequências sociais e econômicas muito mais graves do que os eventuais benefícios. Este plano de ações discutido aqui envolve desde a contratação de pessoal, como de material, adaptação de leitos para UTI, quando e eventualmente isso for necessário”, explicou o Prefeito.

Atualmente, o exame de coleta (SWAB) para pacientes com casos suspeitos está centralizado em três locais específicos: o Hospital São José, a UPA do Edson Queiroz e a UPA do Vila Velha. Entretanto, a população pode procurar qualquer uma das UPAs e, caso haja necessidade de realização do teste, esse paciente será encaminhado para um dos três locais especializados. A Prefeitura disponibiliza transporte descaracterizado para o possível translado do paciente.

No Estado, 37 casos suspeitos estão sob monitoramento. Destes, 28 são em Fortaleza. De acordo com a secretária de Saúde, Joana Maciel, nenhum caso foi confirmado, mas a Cidade já está preparada se o cenário mudar. “Precisamos nos preparar e estamos fazendo isso há muito tempo, sob as orientações do Ministério da Saúde e em parceria com a Secretaria de Saúde do Estado. Nossas Unidades estão preparadas para acolher, orientar e fazer um diagnóstico correto da doença”, disse.

Entre as ações previstas, estão os investimentos de recursos, o aumento de 5 para 6 ou 7 médicos por plantão nas Unidades de Saúde, a coleta de SWAB 24 horas nos postos especializados e outras medidas.

A Secretária ainda alertou sobre os cuidados que a população deve ter. “É muito importante que a pessoa que esteja com um sintoma respiratório qualquer que seja ele, não tenha contato com pessoas idosas ou que tenham outras doenças, pois este, sim, é o grupo populacional que está mais propenso a gravidades”, completou.

A Prefeitura de Fortaleza está trabalhando de forma preventiva, planejada e integrada com o Governo do Estado e o Ministério da Saúde para monitorar de forma correta a doença. As ações acontecem de forma coordenada e exigem união de esforços dos órgãos municipais, estaduais e da população.