• Postado em: 13 de janeiro de 2020

Secretaria Municipal da Saúde participa de reunião para ações de prevenção das Arboviroses


O encontro foi promovido pela Secretaria da Saúde do Estado do Ceará (SESA).

A Secretária Municipal da Saúde de Fortaleza, Joana Maciel; técnicos da Coordenadoria de Vigilância à Saúde e da Coordenadoria de Vigilância Epidemiológica da SMS participaram, na manhã desta quarta-feira (13/01), na Escola de Saúde Pública do Ceará (ESP), de reunião sobre ações de prevenção ao mosquito Aedes aegypti e do cenário epidemiológico das Arboviroses, objetivando criar rede integrada de combate ao Aedes. Estiveram presentes, ainda, prefeitos, secretários de saúde e técnicos da área.

As perspectivas apresentadas durante o encontro apontam risco de epidemia neste ano, com incremento de 280% ao número registrado em 2019, além da reintrodução do dengue tipo 2, que circulou, pela última vez, em Fortaleza, em 2008.

Cabeto, titular da Secretaria da Saúde do Ceará (Sesa), apresentou os principais fatores de risco que devem agravar o cenário para uma epidemia: desabastecimento e/ou abastecimento irregular de água, início da estação chuvosa e consequentemente de novos criadouros, coleta de lixo irregular e/ou limpeza urbana deficiente e presença do mosquito Aedes aegypti em 100% dos municípios cearenses.

Foi divulgado, ainda, um plano de ações que contemplam medidas visando minimizar o impacto de uma possível epidemia, como, por exemplo, capacitação dos profissionais, garantia de kit de diagnóstico, levantamento de insumos e campanhas de mídia.

Segundo Joana Maciel, esse cenário de enfrentamento é permanente e vem atuando fortemente desde 2017. O tema tem sido trabalhado de forma interdisciplinar e deve envolver outras Secretarias, como a de Educação e Conservação e Serviços Públicos. “O combate ao mosquito transmissor é uma ação que extrapola os muros da saúde”, ressaltou.

A secretária também alertou para cuidados em casa durante o período chuvoso, como evitar acúmulo de água em reservatórios. “Por outro lado, estamos nos preparando caso haja aumento desses casos com capacitação de profissionais, restruturação de unidades. Hoje, 23 postos de saúde estão preparados para fazer, inclusive, hidratação, com salas de observação, entrega de exames mais rápidos”, complementou.

Cenário da doença

No período de 2013 a 2019, o Brasil registrou as 4 maiores epidemias de dengue do país, enquanto Fortaleza manteve o controle da doença e não registrou nenhuma grande epidemia.